Morfologia (DMOR)


Chefe Christina da Silva Camillo
Vice-chefe Ruthnaldo Rodrigues Melo de Lima
Secretário(a) Marcelo Melchior Pereira Coelho
Telefone(s) para contato 3215-3431 3211-9207
E-mail dmor@cb.ufrn.br
Horário de funcionamento da secretaria 00:00 - 00:00

 

Site

Site Alternativo


Histórico

O Departamento de Morfologia originou-se do desmembramento do Departamento de Morfofisiologia em Departamento de Fisiologia e Departamento de Morfologia, em Junho de 1977, vinculado ao Centro de Biociências, tendo como seu primeiro Chefe, o Professor Adjunto, Paulo de Oliveira Carvalho designado através da Portaria nº 207/77-R, publicada no BS nº 87 de 16.06.1977.

O Departamento de Morfologia, vinculado ao Centro de Biociências, oferece as disciplinas de Anatomia Humana, Comparativa e dos Animais Domésticos, Embriologia e Histologia aos cursos de Biomedicina, Ciências Biológicas, Educação Física, Enfermagem, Farmácia, Fisioterapia, Medicina, Nutrição, Odontologia, Psicologia e Zootecnia.

 

Disciplinas


Laboratóios

Laboratório de Microscopia I e II

                A microscopia é um espaço para projeção e estudo das lâminas histológicas confeccionadas pelo Laboratório de Técnicas Histológicas. Os alunos de graduação são orientados pelos professores e monitores no aprendizado do estudo histológico de tecidos e órgãos.

 

Laboratório de Técnicas Histológicas

                O laboratório de técnicas histológicas do Departamento de Morfologia tem o objetivo primário de executar o processamento microscópico de peças de biópsias de tecidos e órgãos de animais e humanos, assim como, peças vegetais. a confecção de lâminas histológicas a partir destas peças é etapa primordial na reposição de lâminas para a graduação. A base de pesquisa em Ciências Morfológicas do Departamento de Morfologia e outras da UFRN também utilizam o espaço para suas pesquisas.

 

Laboratório de Anatomia Animal

Laboratório de Embalsamamento de Cadáveres

Laboratório de Embriologia

Laboratório de Estudos Morfológicos

Laboratório de Neuranatomia

O Laboratório de Neuranatomia foi projetado com o objetivo de permitir o desenvolvimento de projetos de pesquisa dedicados ao estudo da organização do sistema nervoso em modelos animais. O laboratório começou a ser implantado no segundo semestre de 1992, quando os primeiros trabalhos eram voltados para a caracterização do sistema de temporização circadiana, com ênfase na caracterização dos principais centros, o núcleo supraquiasmático do hipotálamo e o folheto intergeniculado do tálamo. À medida que sofreu expansões e aquisições de novos equipamentos e de recursos humanos, foram criadas novas linhas de pesquisa, de modo que atualmente são desenvolvidos trabalhos na linha de sistemas sensoriais – visão e audição-equilíbrio, plasticidade na medula espinhal e neuroregeneração. Os modelos animais utilizados são roedores, como ratos e camundongos e, mais recentemente, introduzimos um roedor regional, o mocó. Também utilizamos um pequeno primata regional, o sagüi. Basicamente, as técnicas utilizadas são injeção de traçadores neurais (intra-ocular ou central), perfusão transcardíaca, microtomia do sistema nervoso central e técnicas imuno-histoquímicas para revelação de traçadores ou substâncias pesquisadas nos centros de interesse.

O laboratório ocupa uma área de aproximadamente 70 m2, dividida em 3 ambientes, podendo ser assim caracterizados:

1. Sala de cirurgia e perfusão e biotério.

2. Laboratório histológico: microtomia, imuno-histoquímica, colorações diversas.

3. Sala de microscopia e sala de professor.

Coordenadora: Profª. Dra. Miriam Stela Maris de Oliveira Costa

 

Laboratórios de Anatomia Humana


Monitoria

 

Pesquisa

Extensão


 Programa de Doação Voluntária para Estudos Anatômicos

 

                O Departamento de Morfologia do Centro de Biociências da Universidade Federal do Rio Grande do Norte é responsável por habilitar os futuros profissionais da área da saúde (Nutrição, Educação Física, Biomedicina, Farmácia, Enfermagem, Ciências Biológicas, Fisioterapia, Odontologia, Medicina, Engenharia Biomédica, Fonoaudiologia, Biologia Licenciatura, Biologia Bacharelado, Dança, Psicologia) na disciplina de Anatomia Humana.

 

                Prezamos pela excelência de ensino e entendemos que embora haja a ampliação da tecnologia relacionada às imagens para uso educacional, a utilização do cadáver para efeitos didáticos não deve ser ignorada e é imprescindível, uma vez que cirurgias, diagnósticos e prognósticos realizados pelos diferentes profissionais das áreas relacionadas à saúde devem ser corretamente executados e interpretados.

 

                No entanto, o material humano para estudo está cada vez mais raro de ser disponibilizado, o que compromete a qualidade do ensino oferecido. Por este motivo, a exemplo de como é realizado em outros países, promovemos a campanha voluntária de corpo para o estudo anatômico, para que através dos corpos doados possamos continuar formando profissionais com elevado grau de conhecimento da Anatomia Humana para sua atuação profissional em toda nossa sociedade.

 

O que é doar o corpo?

 

                Significa que após o falecimento, o seu corpo não será enterrado nem cremado, mas ficará no nosso laboratório de Anatomia, será estudado pelos nossos alunos de graduação e pós-graduação com todo o respeito e gratidão que merece, com isso melhoraremos a qualidade do nosso ensino e dos futuros profissionais.

 

                Para não putrefar ou degenerar, são utilizadas substâncias químicas a base de glicerina ou formol, que conservam e mantém o corpo em condições ideais e seguras de manuseio.

 

Alguma lei ampara a doação de corpo?

 

                Sim, de acordo com o Artigo 14 da Lei 010.406-2002 do Código Civil brasileiro: "é válida, com objetivo científico, ou altruístico, a disposição gratuita do próprio corpo, no todo ou em parte para depois da morte. O ato de disposição pode ser livremente revogado a qualquer tempo". Existe, também, a Lei Nº 8501 publicada no dia 30 de Dezembro de 1992 que dispõe sobre a utilização de cadáver não reclamado, para fins de estudos ou pesquisas científica e dá outras providências. Além destes, existe o Provimento Nº 093/12-CGJ/RNpublicado no dia 12 de Julho de 2012 que regulamenta o registro de óbito dos cadáveres destinados às escolas de medicina para fins de ensino e de pesquisa de caráter científico no Estado do Rio Grande do Norte, e dá outras providências.

 

Para doar o corpo é necessário que:

 

                Seja maior de 18 anos e tenha a intenção de fazê-lo. Se for menor de 18 anos precisará do consentimento dos responsáveis legais.

 

Existem gastos para o doador e sua família?

 

                Não existem gastos para o doador nem para seus familiares, apenas se a família decidir fazer o velório, antes da doação (o que não impede que após as homenagens o corpo seja doado). Os custos desse deverão ser pagos para a agência funerária contratada.

 

Pode-se doar órgãos para transplante e meu corpo para estudo anatômico?

 

                Sim. A doação de órgãos para transplante será realizada anteriormente, assim que constatado o óbito e será utilizado para salvar vidas.

 

                Os órgãos e estruturas não doadas para transplante serão encaminhados para a Disciplina de Anatomia Humana do Departamento de Morfologia, depois de ser realizado o velório, e serão utilizadas para o conhecimento, a aprendizagem dos futuros profissionais.

 

Quanto tempo o corpo permanecerá no laboratório?

 

                Esse prazo é variável. Temos corpos há mais de 50 anos que contribuem para o ensino. O material humano é raro e rico em detalhes que permitem o enriquecimento do conhecimento.

 

O que será feito com o corpo após o mesmo ser utilizado para estudos?

 

                Após ser completamente estudado e ter contribuído de forma magnífica ao desenvolvimento profissional dos alunos, este corpo ou parte dele será sepultado no jazigo da Universidade Federal do Rio Grande do Norte.

 

Os familiares terão acesso ao corpo?

 

                Não. O acesso é permitido apenas aos alunos, professores e técnicos do laboratório do departamento de Anatomia.

 

Algum tipo de doença ou idade impedem de ser doador?

 

                Não há contra indicações para doações.

 

Receberei alguma recompensa por doar meu corpo?

 

                Não há recompensa financeira, pois está estabelecido em lei.

 

Como garantir que meu corpo será doado?

 

                Além de preencher os documentos e enviá-los ao Departamento, é importante que você discuta e informe seus familiares sobre esta decisão, para que quando constatado o óbito, um dos familiares nos comunique e assim possamos proceder para receber o corpo. Caso os familiares não estejam de acordo com a decisão ou não nos informar, o desejo não será concretizado.

 

Como proceder para ser um doador?

 

                Primeiro tenha certeza da sua escolha, informe seus familiares sobre sua decisão e preencha os documentos abaixo, reconheça firma em cartório das assinaturas (doador e testemunhas), e envie uma via original para: Departamento de Morfologia do Centro de Biociências da Universidade Federal do Rio Grande do Norte, CEP: 59072-970 - Lagoa Nova, Natal/RN.

 

Baixe os documentos:

 

  1. Termo de Declaração de Vontade e Testemunho de Doação Voluntária de Corpo para Estudos Anatômicos em vida (preencher 2 vias, reconhecer assinatura em cartório e nos enviar apenas uma via e arquivar a outra).

  2. Termo de Declaração de Vontade e Testemunho de Doação Voluntária de Corpo para Estudos Anatômicos pós morte pelo representante da família (preencher 2 vias, reconhecer assinatura em cartório e nos enviar apenas uma via e arquivar a outra).

  3. Formulário de Registro do Doador Voluntário de Corpo para Estudos Anatômicos (preencher apenas uma via e nos enviar via correio, juntamente com o Termo de Declaração de Vontade e Testemunho de Doação Voluntária de Corpo).

 

Para demais esclarecimentos, favor contactar-nos pelo email: dmor@cb.ufrn.br, ou pelo telefone (84) 3215-3431.